Quem levará o Oscar?

Falta pouco para o mundo conhecer os vencedores do maior prêmio do cinema! Mas o buchicho já é bem maior que um troféu: tem o agito do mundo da moda, por exemplo, ensandecido para ver o que as maiores estrelas irão desfilar na passarela. Afinal, trata-se do tapete vermelho mais famoso do mundo. Tem o burburinho dos designers de joias e adereços. Tem o mundo dos penteados e dos smokings chegando junto para a grande noite.

A expectativa é que mais de um bilhão de pessoas, de 200 países pelo mundo afora, pare para dar uma espiada na TV e não desgrude os olhos enquanto durar  a cerimônia de entrega do Oscar. Quem levará o  maior prêmio da Academia de Cinema de Los Angeles? Para competir com o poder midiático de uma entrega do Oscar, só uma final de Copa do Mundo .  E olha que essa festa já dura 90 anos!

Projeção de cinema

Mais que apontar o melhor filme, ator, atriz, musical, direção de fotografia ou efeitos especiais, o Oscar projeta o cinema de modo geral. Cria um tsunami de comentários e curiosidades em torno de qualquer trabalho. A magia dessa festa tem efeitos de um motor gigante a impulsionar essa indústria.

E quem julgava que cinema seria coisa do passado, errou feio. As salas passaram por várias transformações. Assim, ficaram muito mais aconchegantes, modernas, cheias de efeitos, como um laboratório, mas continuam a ser um reduto de sonhos. É como se o mundo ficasse lá fora quando a gente entra, senta, abre o saco de pipocas e libera as emoções para sentir o que quiser diante das imagens e dos sons projetados.

É o mundo mágico do cinema, tão necessário ao lúdico, como o que mora em todos nós, independentemente da idade.  Quem sobrevive sem sonhos? Sem uma bela história para ouvir e recontar? Presente do cinema para a nossa saúde emocional. O Oscar é só o momento de consagração desses sonhos traduzidos em imagens, rostos e efeitos de tudo o quanto a mente humana é capaz de construir ou de consumir.

O troféu é de todos os envolvidos!


Que venha, pois, o Oscar e seus eleitos. Depois a gente corre pro cinema mais próximo para conferir o que ainda não assistimos. Pois amamos a sétima arte, a oitava, a nona… a deliciosa história do troféu que ganhou esse nome por ser a cara do tio da secretária da Academia de Cinema, Margaret Henrrick.

Se as duas produções brasileiras têm poucas chances na disputa, qual o problema?  Elas chegaram lá e isso é demais! Palmas para o diretor Carlos Saldanha (“O Touro Ferdinando”) e o produtor Rodrigo Teixeira (“Me chame pelo seu nome”).

O mundo do cinema nunca teve, nem terá fronteiras. Torcemos igualmente por “Nasce uma Estrela”, com Lady Gaga e Bradley Cooper, ou para “A  Favorita”, com Olivia  Colman, Emma Stone e Rachel Weisz. Durante essa festa,  somos todos cinema!”

Nenhum Comentário

Deixe um comentário